Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.ufs.br/handle/tede/850
Tipo do documento: Dissertação
Título: Infecções em dispositivos neurológicos implantáveis em crianças e adolescentes
Autor: Lima, Márcia Maria Macêdo 
Primeiro orientador: Pereira, Carlos Umberto
Resumo: O tratamento cirúrgico da hidrocefalia através da derivação ventrículo peritoneal (DVP), tem nas complicações infecciosas o seu maior desafio. A etiologia da hidrocefalia, crianças menores de seis meses, inserção primária do sistema de derivação, inadequada habilidade técnica da equipe cirúrgica, condições de assepsia e anti-sepsia e duração da cirurgia são alguns dos fatores de risco que contribuem para a persistência das taxas de infecção. A proposta do presente estudo foi determinar a freqüência, as causas, o sítio específico e as manifestações clínicas e laboratoriais das infecções em crianças e adolescentes após a implantação de dispositivos neurológicos no HGJAF (Aracaju-SE). Prospectivamente, foram estudados 50 pacientes entre 0 e 17 anos, submetidos a DVP (58 procedimentos), no período de janeiro de 2003 a outubro de 2004, através de levantamento de dados dos prontuários durante a internação e após a alta hospitalar. Os resultados foram analisados pelo teste do qui-quadrado, teste exato de Fischer, odds ratio e risco relativo. Foi considerado significante valor de p < 0,005. Observou-se que todas as indicações de sistema de DVP foram por hipertensão intracraniana em hidrocefalia e que a taxa de infecção por procedimento (27,6%) e as taxas de infecção de acordo com o índice de risco cirúrgico zero (25,7%) e índice de risco cirúrgico 1 e 2 (30,4%) (metodologia NNISS-CDC) foram elevadas. A infecção de sítio cirúrgico (superficial e cavidade) foi a principal complicação infecciosa (87,5%), com precocidade na sua manifestação (média de 27,6 dias). A manifestação clínica mais freqüente foi a febre com 81,3% (13/16). A taxa de mortalidade por infecção em DVP foi de 10% (5/50). No entanto, não houve significância estatística com relação à etiologia da hidrocefalia (p = 0,858), ao tipo de procedimento (derivação primária e reinserção) (p = 0,330), idade do paciente (p = 0,926), tempo de internação pré-operatória (p = 0,172), duração da cirurgia (p = 0,534, RR = 1,09, IC95% [0,6-2,0]), uso de antibioticoprofilaxia (p = 0,567), uso de cateter SNC prévio (p = 0,361) e índice de risco cirúrgico (0, 1, 2) (p = 0,926, RR = 1,07, IC95% [0,76-1,49]). Este estudo serviu para caracterizar a infecção após implantação de sistema de DVP no HGJAF, apontar problemas a serem discutidos através de uma política de prevenção e intervenção precoces.
Abstract: The management of hydrocephalus by means of a ventriculoperitoneal shunt (VPS) has, as a major threat, surgical infections. Factors, such as cause of hydrocephalus, age below six months, shunt primary insertion, trainaing curve of surgeons, conditions of antisepsis and length of the procedure contribute to the occurrence of infectious complications. The study aimed at determining the incidence, cause, site of ocurrence and clinical and laboratory manifestations of infections in the children and teenagens who underwent VPS in Hospital Gov. João Alves (HGJAF), Aracaju, SE. Fifteen patients were studied prospectively from January 2003 to October 2004. Hospital records were analised and data were obtained during hospital stay and after discharge. The results were analised through Yates Chi-square, Fisher s exact test, relative risk and odds ratio. A confidence interval of 95% was used. All patients underwent VPS because of hipertensive hydrocephalus and subsequent infection rate per procedure was 27.6%. Infection rates according to surgical risk index were 25.7% for risk 0 and 30.4% for risk 1/2 (NNISSCDC). Surgical site infection (deep and superficial) was the major complication (87.5%) with early appearance (mean 27.6 days). Fever was the most frequent sign in 13 of 16 cases. Infection related mortaliy rate was 10% (5/50). However, there was no statistical significance for cause of hydrocephalus (p = 0.858), type of procedure (p = 0.330), age at diagnosis (p = 0.926), pre-operative length of stay (p = 0.172), duration of procedure (p = 0.534, RR = 1.09, IC95% [0.6-2.0]), antibiotic prophylaxis (p = 0.567), previous use of CNS catheter (P = 0.361) and risk index (0, 1, 2) (p = 0.926, RR = 1.07, IC95% [0.76-1.49]. The present study was meant to caracterize the management of hydrocephalus at HGJAF and identify problems that could be mimimized through prevention of infectious complications.
Palavras-chave: Hidrocefalia
Derivação ventrículo peritoneal
Infecção em sistema de derivação ventrículo peritoneal
Hydrocephalus
Ventriculoperitoneal shunts
Shunt infection
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Sigla da instituição: UFS
Departamento: Ciências da Saúde
Programa: Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Citação: LIMA, Márcia Maria Macêdo. Infecções em dispositivos neurológicos implantáveis em crianças e adolescentes. 2005. 122 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://bdtd.ufs.br/handle/tede/850
Data de defesa: 1-Jan-2005
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências da Saude

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
MARCIA_MARIA_MACEDO_LIMA.pdf600,95 kBAdobe PDFBaixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.